25 de jun de 2012

NEM SEMPRE SE GANHA....O QUE VALE É A HISTÓRIA QUE FICOU!!!!

Recebemos por e-mail do velho amigo e competentíssimo preparador passo-fundense Gilberto Carlassara, hoje radicado em Balneário Camboriú/SC, duas fotos de um Chevrolet Opala SS, que pertenceu durante anos ao hoje falecido Volmir Carlassara, o COXA, pai dele. As fotos do carro, nos trouxeram a memória histórias vividas  nos idos da década de 90 do século XX, onde este Opala, que tinha o apelido de "Vovô", foi o protagonista principal!!!!
Não queremos ser os donos da verdade, vamos contar aqui, as nossas lembranças, então quem participou e lembra pode deixar nos comentários deste post, a sua versão dos fatos...também iremos omitir a maioria dos nomes, pois muitos daqueles que presenciaram e participaram, hoje podem ter vergonha desse passado...
A RIVALIDADE
Naquela época (leia-se anos 90), existia uma rivalidade muito grande entre os passo fundenses e carazinhenses, principalmente no que tange aos carros de rua preparados. Fazia-se muitos rachas, "pegas" como chamávamos, e era normal o pessoal de Passo fundo preparar um carro e ir até Carazinho, que fica a menos de 50 km, desfilar e acelerar na frente dos outros, até que aparecesse um candidato a disputar nos mil metros a supremacia entre as cidades..... Os carazinhenses, faziam o mesmo, vinham à Passo Fundo e desciam a Independência, na quadra dos barzinhos, acelerando para chamar a atenção dos locais. Tudo, sempre, virava em corrida ilegal noturna, e havia vários pontos nas rodovias da região, que serviam de "pista"....
A CARAVAN DE CARAZINHO
Um final de semana, estávamos todos os que gostavam de acelerar, reunidos na baixada da Independência, alguns solteiros, outros com suas namoradas, quando um rugido grave ensurdeceu a todos: Surgiu na esquina da rua Bento Gonçalves, a turma de Carazinho, capitaneada por uma Chevrolet Caravan prata, modelo 1988, rebaixada ao extremo, com todos os vidros enegrecidos por películas, e simples rodas de ferro, pintadas de preto fosco: Cara de bandida a Caravan tinha de monte, e o principal, no cofre do motor, um 6 canecos 4.100 com comando, carburação, dimensionado e tudo de bom que se usava naquela época, em termos de preparação. Atrás dela, um Volks Voyage 86 pintado de amarelo canário, também preparado, e mais uma dúzia de outros carros, de várias marcas, cuja grande maioria, já tinha "tomado pau" dos nossos veículos...Aquela noite, foi diferente: tanto o Voyage amarelo quanto a Caravan prata, fizeram a limpa, ganhando de tudo e de todos, inclusive de um Opala 4.100 1982 marrom com meio teto de vinil, que era preparado localmente, e que vinha sendo o "pai de todos" nos rachas da região.
Feito o serviço, a galera de Carazinho foi comemorar a vitória no então melhor point da noite regional, o Habbeas Corpus, uma bar e boate que funcionava em frente ao Fórum de Passo Fundo.
Todo o nosso pessoal frequentava o Habbeas, e não demorou para surgir um desafio dos carazinhenses que haviam ganho os pegas: para resumir, saímos todos de "rabo entre as pernas", e na semana seguinte, o dono do Opala marron que havia perdido para a Caravan, procurou o Carlassara, contando o ocorrido e aumentando um pouco a história.... O Beto na época, tinha guardado um motor GM 4.100 extremamente fuçado, usado em provas de km de arrancada, e foi um passo só até decidir instalar o motor forte, num Chevrolet , para retomar a supremacia entre as duas cidades.

 O carro escolhido como receptor, foi o "Vovô", e em poucos dias, estava lá no cofre do motor, aquela preciosidade. Como o tempo era curto e a revanche estava marcada, carregou-se o Opalão na carreta, que puxada pelo Carlassara num Alfa Romeu TI 2300, foi levado até o local do pega, um trecho de rodovia com mais de dois kms de reta...
Entre passo-fundenses e carazinhenses, passava de cem pessoas, e uns 60 ou 70 carros, estacionados às margens da pista e nas entradas das granjas da região.
Quando o Carlassara ligou o "Vovô" e o desceu da carreta,  o dono da Caravan prata quis "roer a corda", alegando que o motor do Opala, era de pista, enquanto a perua  era de rua.....
Acabou aceitando a proposta de largar com cem metros de vantagem, sendo a largada feita através dos faróis de um carro colocado no acostamento, mil metros à frente do nosso Opala SS...
Sinalizada a largada, antes mesmo dos 200 metros, o Vovô havia alcançado a Caravan!!!!!! a diferença era brutal e os assistentes já gritavam vitória!!!!! eis que por volta dos 400 metros, o Vovô engasgou, tossiu, perdeu potência, e foi ultrapassado irremediavelmente!!!!
Perdemos( porque na hora, era Passo Fundo que disputava, não só o Carlassara), e não teve jeito de consertar o SS. Ainda tentamos competir com uma Puma GTB, mas não deu "nem pro cheiro", também não alinhou. Acabamos por nos recolher aos nossos carros, e retornar à Passo Fundo, mais uma vez cabisbaixos...No dia seguinte, descobriu-se que o carburador  não havia sido revisado, e quando da aceleração total, puxou para dentro uma sujeira, um cisco que entupiu os giclês e nos fez perder aquele que seria o racha do século!!!!!
Depois, em outras oportunidades, ganhamos e perdemos, mas esta noite ficou na memória de todos os que estiveram presentes, e até hoje é contada nas duas cidades. O motor fortíssimo, foi retirado do Vovô, que retornou ao seu uso diário com uma mecânica 4.100 original. Até mesmo agora, digitando este texto, ainda nos perguntamos como seria se tivéssemos vencido aquela disputa, pois a brutalidade da arrancada do Opala, que em poucos segundos alcançou seu oponente, para ultrapassá-lo e logo em seguida falhar ao extremo, foi considerado o maior "crime" que sofremos!!!!!!!

O Beto Carlassara, continua  preparando os velhos e confiáveis GM, e tem obtido muito sucesso nos campeonatos catarinenses de arrancada e e em outras modalidades. É um homem que aprende com os sucessos e com as derrotas, e com certeza, aprendeu muito com o ocorrido naquela já tão distante noite dos anos 90...
Saudades enormes de um tempo em que éramos todos felizes, e não sabíamos!!!!!!!

5 comentários :

  1. recebemos pelo Facebook, um comentário do Carlassara, sobre este post:
    Gilberto Carlassara Realmente uma história inesquecível de tempos áureos pelo que tivemos a imensa felicidade de termos passado, tempo em que faziamos rachas noturnos com responsabilidade e segurança com a coperação de todos os envolvidos e espectadores! Vitor Prante que memória a sua não!! Voce lembra de cada detalhe dela e relamente aquela noite foi a tal corrida que não corremos face a um (jacaré) que entupio os carburadores e ai já era, mais ainda assim lembro com satisfação do fato em si bem como na terça feira quando meu Pai olhou as bolhas emcima dos paralamas trazeiros do seu vovô e me indagou! O que ouve aqui que a tinta está com bolhas? Pensei e tive que contar que tinhamos trocado a mecânica toda do vovô para ir a carazinho no sábado a noite e que os pneus que colocamos pegavam nos paralamas mais isso já estava falando a ele com uma certa distância pois achava que ele iria pirar comigo mais como sempre foi ainda ficou P comigo por não ter limpado com atenção os carburadores e ter com isso ter pago o maior mico! Rsrsrsrsr Meu velho era uma onda! Sds desse glorioso tempo que como vc mesmo disse éramos felizes e não sabiamos. Abraço ao amigo.

    ResponderExcluir
  2. Me lembro muito desta noite. Eu tinha um chevette se 87 azulzinho. Até hoje tenho saudades daquele chevettinho, apesar de quase ter morrido com ele, fazendo pega na reta da cooperativa.
    Naquela época, me lembro que eu tinha 16 ou 17 anos e naquela noite, a estrada Passo Fundo/ Carazinho parecia uma cobra iluminada devido ao imenso número de carangas indo para o histórico pega do Vovô. O voyage amarelo da "Maria" também era um Demônio de tanto que andava.
    Que saudades!!! Obrigado pela ótima lembrança.
    Abraços
    Digao

    ResponderExcluir
  3. Eis o famoso Voyage Amarelo... http://img12.imageshack.us/img12/1354/vwvoyagemaria.jpg

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. boa noite.eu me lembro muito bem aquela noite pois eu era dono caravan prata era uma rivalidade mas eramos grandes amigos saudades aquele tempos.chicao de mari

    ResponderExcluir