12 de jan de 2014

GAUCHO DE LAJEADO CONSTROI CARRO ELÉTRICO

O empresário aposentado João Alfredo Dresch, residente em Lajeado/RS,  construiu seu próprio carro elétrico, e até esta semana, circulou com o veículo pela cidade, até ser apreendido pela fiscalização de trânsito, por falta de documentos e principalmente, legislação sobre o uso de veículos movidos por esta tecnologia.
. O veículo,  mede 1,96m x 1,05m e tem capacidade para dois tripulantes, e entre outros acessórios, é equipado com cinto de segurança, freios a disco e extintor de incêndio. O motor elétrico do carro chega a velocidade máxima  de 70km/h,  e vem equipado com um carregador de baterias que funciona em tomadas convencionais, ou seja, pode ser abastecido em qualquer lugar onde haja energia!!!
 O construtor afirma que três horas carregando o carro na tomada, possibilitam rodar por mais três horas, o que gera um custo de energia de R$ 2,00 e uma estimativa de cerca de 200km por carga completa.
João Alfredo Dresch, que expôs seu carro recentemente numa feira de construção e mobiliário da cidade onde reside, usava-o para deslocamentos no perímetro urbano, até o veículo ser recolhido na última semana. 
Entre os objetivos imediatos  de João, está a busca de apoio para viabilizar a legislação sobre a construção de veículos elétricos,  para que possa fabricar em larga escala. O valor estimado de cada protótipo, sem impostos, varia de 18 a 20 mil reais.
O primeiro protótipo teve a carroceria modelada com papelão e fita adesiva, na garagem do empresário aposentado!!!
na foto acima, o primeiro protótipo finalizado em fibra, ao lado do seu criador!!!




2 comentários :

  1. Por que ele não documentou o carro?

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante. Um comerciante, que não é engenheiro e nem especialista em nada (falando de formação acadêmica), conseguiu criar um veículo desses. Agora, imaginem o que é capaz de fazer uma montadora com profissionais altamente capacitados e décadas de experiência. O problema é que este veículo é "ruim para os negócios" de muita gente, pois é composto de "meia dúzia" de peças... Nunca o veremos ser produzido em série.

    ResponderExcluir